Prefácio: Promessa de Liberdade



Autor do livro: Evelyn Postali

Prefaciador: Alfer Medeiros

Editora: Letras e Versos



Prefácio:

Grande Demais Para Caber em Si

A origem das histórias segue normalmente o mesmo padrão: se baseia em sementinhas flutuando a esmo em meio à ventania da imaginação; a maioria sem a mínima esperança de vingar e florescer. As afortunadas, que conseguem atingir solo fértil e irromper com frágeis ramos em direção aos céus, têm pleno conhecimento que a batalha pela vida está apenas começando. Com perseverança e bons cuidados por parte do jardineiro-autor, chega o momento de ganharem o mundo, serem livres. Se crescerão e darão frutos, ninguém sabe ao certo, são apenas uma promessa vaga ao partirem na direção dos olhos de leitores ávidos por novas emoções.

Promessa de Liberdade foi uma bela plantinha cultivada com dedicação e esforço por Evelyn Postali que, tal qual árvore grandiosa sedenta por vida, destruiu calçadas e ruas, derrubou fios elétricos e precisou ser removida para um lugar mais apropriado, com espaço para crescimento selvagem e sem limitações. Uma força incontrolável desde o seu nascimento, tendo consumido muito da Evelyn até chegar à sua versão final.

A gênese da história se deu em uma antologia da Editora Andross chamada Ponto Reverso, cujo tema era realidade alternativa. Sob minha organização, esse projeto tinha uma premissa básica: os autores deveriam escrever contos onde nossa realidade sofresse algum tipo de ruptura e seguisse por um caminho diferente do que conhecemos. O resultado final, além de mostrar consequências criativas dessas mudanças, se comprometeria em sempre deixar algum tipo de reflexão para o leitor. Evelyn escolheu como cenário um Brasil onde a escravidão nunca tivesse sido extinta e decidiu expor as consequências políticas, econômicas e sociais de tão singular – e terrível – realidade. A antologia recebeu muitos elogios dos leitores e Promessa de Liberdade, atendendo aos pedidos de muitos deles, virou romance.

Tive o privilégio de acompanhar todo o processo de criação de Promessa de Liberdade, desde as primeiras ideias do conto até o doloroso desenvolvimento do romance. Sim, doloroso, porque Evelyn “sangrou” muito para chegar a este texto final que você em breve terá a oportunidade de ler. Como todo bom autor, ela se entregou de corpo e alma à história, totalmente imersa nela, a ponto de sofrer todas as agruras dos protagonistas, se martirizar pelas decisões difíceis tomadas na trama e sentir dolorosamente cada perda durante o desenrolar da história – quando concluir a leitura do livro, você verá que tal padecimento não foi pequeno.

Não espere alívios cômicos ou ações hollywoodianas neste livro. Aqui, prevalecem a aspereza e o sabor amargo que um Brasil escravagista contemporâneo pode oferecer em doses maciças. Do simples incômodo à mais profunda revolta, deixe-se emocionar por este livro escrito ao som de grilhões rompidos, rock’n’roll e lamentos abafados dos oprimidos. Que Promessa de Liberdade deixe muitas sementes de reflexões em sua mente, pois o questionamento inconformado é o combustível desta história – e toda ficção tem raízes fincadas na realidade que nos cerca.

Boa leitura!

0 comentários:

Postar um comentário